NATHALIA JAHN

Um pedacinho da França com um toque de brasilidade. Esse é o resultado da refinada e irreverente mistura da chef Nathalia Jahn, que produz doces unindo técnicas da culinária francesa com inusitados ingredientes brasileiros. Para dar vida a essas delícias, Nathalia Jahn largou o sonho de seguir carreira médica e iniciou os estudos de gastronomia em Porto Alegre e depois foi estudar na França.

Em Biarritz, no sul do país europeu, trabalhou no famoso hotel Le Caritz. Seguiu viajando onde aprendeu e ganhou experiência ao lado de chefs renomados como Fabrice Lenud, Diego Lozano. Sua formação foi completada com ajuda de Alex Atala, Claude Troisgros, Laurent Suaudeau, Aires Scavone e Moisés Basso.

Graças a essas vivências, a chef gaúcha ficou ainda mais apaixonada por doces artísticos, fazendo desabrochar seu gosto pela precisão, dedicação, paciência e riqueza de detalhes à confeitaria. De volta a Porto Alegre após esse rico período de aprendizado, Nathalia Jahn começou sua carreira solo preparando mesas de doces e coquetéis para eventos, especialmente “finger food”. Como sempre gostou de manter contato com os clientes, acabou percebendo a necessidade de criar doces que fugissem um pouco do convencional.

Foi assim que surgiu a ideia de unir a cozinha francesa com ingredientes brasileiros como cumaru, puxuri, cajá, maracujá, banana, manga, amburana, fava de aridan, dentre outras especiarias.

Pura alquimia!

UMA MISTURA DA FRANÇA COM O BRASIL

Nossos ingredientes

Cumaru

Planta típica da região Amazônica, o cumaru é muito usado pelas indústrias de móveis e de cosméticos. Mas sua semente, também conhecida como fava ou tonka beans, vem ganhando espaço na culinária.

Puxuri

A semente de pixuri (Licaria puchury-major) é uma planta nativa da região amazônica, que apresenta compostos bioativos importantes para a redução do risco de câncer.

Cajá

O cajá é uma fruta rica em sais minerais, tais como o fósforo, o ferro e o cálcio. É também uma grande fonte de vitaminas A, B e C. Sendo uma fruta ácida, em geral não é consumido ao natural. Pode também ser bebido como suco, ou consumido em forma de sorvete, geleias, vinhos, licores, refrescos, polpas e também como caipirinha.

Amburana

Também é conhecida como cumaré, umburana, amburana-de-cheiro, emburana, cerejeira-rajada, cumaru das caatingas. A casca e a semente têm ações anti-inflamatória e analgésica, no caso das sementes elas são levemente amassadas para que solte as propriedades com mais facilidade.

Cupuaçu

Cupuaçu é o fruto de uma árvore originária da Amazônia, parente próxima do cacaueiro. A árvore é conhecida como cupuaçuzeiro, cupuaçueiro ou cupu, é uma fruta extremamente saborosa típica da região norte brasileira, muito encontrada nos estados do Amapá, Pará e Amazonas.

Iquiriba

É um fruto de aroma semelhante ao do gengibre, com gosto picante, almiscarado, utilizado como condimento e medicamento, com sementes aromáticas e também picantes, utilizadas por sua vez como substituta da pimenta-do-reino.

Fava de aridan

Aridan, àrìdan ou aridam é uma arvore de origem africana, cultivada no Brasil. A Fava de Aridan é um fruto sagrado presente em vários rituais religiosos.
X
WhatsApp chat